Big BossMetal Gear Solid V: The Phantom Pain ... Acho que quase todo jogador estava esperando como nós pelo último trabalho do grande mestre Hideo Kojima ("mestre" porque, convenhamos, após 20 anos de sucesso no mundo dos games merece ser definido como tal) muito discutido, bem como problemático, devido ao passado recente que todos nós conhecemos agora entre a Konami e o Kojima.

A história começa bem, com um prólogo aos níveis de uma obra-prima cinematográfica indicada ao Oscar, mas tudo isso se perde depois, dada a vastidão (talvez demais) do mundo aberto não exatamente cheio de conteúdo ou lugares que realmente valham a pena. vale uma visita, se não pela beleza gráfica do Afeganistão.

Graficamente, o título é excelente, com uma densidade de textura bastante detalhada mesmo nas versões Xbox One e Ps4; a paisagem afegã foi reproduzida com bastante fidelidade, com ambientes desérticos onde não poucas vezes você vai querer parar por um momento para admirar a vista da sela de seu fiel cavalo D. Explosões e efeitos visuais como poeira e fumaça foram cuidadosamente recriados; quanto ao setor de áudio, está bem feito, mas não se destaca. Uma discussão separada deve ser feita para as trilhas sonoras, como sempre dignas de nota, com canções que te fazem arrepiar desde o primeiro momento do jogo.

O Afeganistão nunca foi tão bonito ...As missões certamente não faltam, mas poucas das principais se destacam em termos de enredo e reviravoltas; quanto às secundárias, muitas vezes são semelhantes entre si (resgate de reféns, destruição de minas e destruição blindada ...). Um ponto a favor são as várias possibilidades de escolha de como empreendê-los, desde o assalto mais desenfreado ao som de veículos blindados, caminhantes e bombardeios aéreos, até o melhor disfarce, a tiros de CQC e tranquilizantes, mesmo que a IA de nossos inimigos muitos Às vezes, isso nos deixa a desejar a tal ponto que nos permite muitas vezes criar pilhas de cadáveres apenas atraindo-os um após o outro para uma única posição, sem criar o menor alarme. Interessante é a ideia de implementar mudanças táticas, até mesmo nas roupas das tropas inimigas com base no estilo de jogo que será usado durante suas operações, por exemplo, se muitas vezes você tenta nocautear seus inimigos usando única e exclusivamente tiros. na cabeça, então nesse ponto você provavelmente se encontrará contra mais soldados blindados e usando um capacete que não permitirá mais que você "atire na cabeça deles" instantaneamente. Você terá um vasto sortimento de armas com e sem acessórios, mas é uma pena a possibilidade muito limitada de personalizá-las, já que você é forçado a escolher entre modelos predefinidos e não modificáveis.

Big Boss agoraOs personagens são quase todos dotados de um bom carisma, como aquele que mais tarde será o antagonista do nosso querido Big Boss ... Skullface. Como já dissemos, tudo parece começar bem: um bom prólogo, inimigos "misteriosos" que perseguem nosso chefe, mas então ... PUFF! durante o jogo você não será confrontado com uma batalha de chefe real (talvez um confronto quase possa ser definido como tal) ao contrário de todos os títulos antigos da série. Quanto ao final, no entanto, ele certamente consegue dar alguma emoção, ainda que moderada, dada a evidência de que permaneceu incompleto durante o desenvolvimento. Em conclusão, Metal Gear Solid V The Phantom Pain é certamente um bom título que, em qualquer caso, conclui a série de uma forma mais do que digna; é uma pena, porém, que não se possa gritar com o milagre, como quase sempre aconteceu com seus antecessores.

A crítica do Metal Gear Solid Online seguirá em breve, entretanto deixo-vos com um trailer sobre a mais recente façanha do nosso querido Big Boss num misto de memórias e melancolia.