A pirataria de computadores representa, em nosso tempo, piratas informativosum problema gigante que coloca riscos para a sociedade, de alguma forma "roubado" para os próprios usuários. Por pirataria entende-se todas aquelas atividades ilegais que utilizam sistemas informáticos como a falsificação de programas ou a apropriação de material protegido por direitos autorais, nessas atividades existem duas categorias de piratas ativo, que espalham material ilegal, e passiva, quem o usa.

Esses atos são negativamente impactados com grandes danos econômicos, lembre-se dos 1,4 bilhões de danos às empresas apenas em 2013 na Itália. No mesmo ano, a IPS (Provedores da Internet) tentou mitigar o dano da pirataria usando um programa de nome dedicado CAS (Copyright Alert System). Há dias, ou seja, a 30 janeiro, veio a notícia de que o programa americano foi oficialmente suspenso apesar dos excelentes resultados alcançados. O objetivo era sensibilizar e educar o usuário através de chamadas 6, cuja superação era sanção. Questiona-se, então, por que suspender totalmente um sistema que, apesar de não ser a solução perfeita, ainda desempenhava seu trabalho mais ou menos bem? O motivo da suspensão é precisamente causado pelo fato de que "o programa é muito simples e básico e, portanto, inadequado contra Hackers que continuam a infligir sérios danos à sociedade", conforme afirma Steven Fabrizio, vice-presidente executivo de MPAA, o consórcio que representa os maiores estúdios 6 de produções cinematográficas americanas.

O programa tentou em sua simplicidade evitar a apropriação de arquivos protegidos por direitos autorais, enviando ao usuário mensagens vagamente intimidantes que lembraram as sanções previstas. O maior problema no CAS foi que, apesar de os usuários serem denunciados e sancionados, a IPS ainda não perdeu seus "clientes" e continuou a usar seus serviços, o que é extremamente inútil. A idéia para todos os IPSs é criar um sistema de controle efetivo e justo que possa acompanhar e parar esses atos de pirataria, permitindo que todos os usuários honestos não devam devolvê-los. No entanto, o problema certamente não será erradicado até a idéia de que a pirataria também nos prejudique. Por exemplo, no mercado de jogos ou filmes, encontrar ou piratear coisas na web é bastante fácil, mas esses jogos e filmes foram produzidos por alguém que gastou tempo e dinheiro para fazê-los e se todos nos tornamos piratas, ainda teremos material pirateado?

A pirataria também pode ser vista de uma perspectiva diferente, Kim Dotcompense no caso de Kim Dotcom criador do Megaupload, que protege os negócios da espada com o conceito de compartilhamento na web ou The Pirate Bay o site de compartilhamento gratuito considerado paladino anti-copyright e bloqueado por provedores italianos. Esses conceitos não são totalmente errados e eles querem proteger o uso da internet como um compartilhamento de material totalmente gratuito. Pense nos casos em que os filmes ou os títulos estão bloqueados devido ao bloqueio da região, ao streaming ou ao download ilegal são as únicas soluções disponíveis para obtê-los. Talvez você deva encontrar um acordo ou compromisso para conceder mais liberdade aos usuários sem cair em ilegalidade, talvez uma espécie de versão "demo" antes da compra real do produto. Mas se houvesse um meio termo, poderíamos limitar a ilegalidade ou o público em geral preferiria recorrer à pirataria?