The Last of Us 2 esteve no centro de muitas críticas, mais ou menos sensíveis, mas um dos primeiros problemas que ele teve que enfrentar foi a acusação de tempo de crise durante o desenvolvimento do mesmo por Naughty Dog.

Já meses e meses atrás se falou em cansativo horário de trabalho para desenvolvedores, com acusações contra Neil Druckmann e os "andares superiores" da casa de software. O próprio Druckmann voltou ao assunto durante entrevista, pegando as palavras de um jornalista do Kotaku que também havia descrito o ambiente de trabalho como "tóxico".

Neil Druckmann, portanto, admitiu que não conseguia equilibrar o trabalho bem com o bem-estar e a vida de seus funcionários, mas que o trabalho extra não foi apenas o resultado de seus pedidos. O vice-presidente da Naughty Dog declarou, de fato, que o amor pelo trabalho levou muitos funcionários a trabalhar por livre vontade no jogo além do horário normal de trabalho, especialmente quando se tratava de implementar as funções de acessibilidade.

Apesar disso, Neil ainda prometeu que para os próximos jogos, ele mudará sua abordagem e quem solicitará ajuda externa para gerenciar alguns aspectos de seu estudo, para evitar muito estresse para os funcionários.

No momento apenas palavras, mas as intenções parecem boas. O que você acha?