Falta o que há de mais falado em negociação no mundo social. Em uma declaração sobre o Blog Corporativo da Microsoft A empresa de Bill Gates disse que sua proposta de compra da TikTok foi rejeitada.

ByteDance, dona da rede social que mais sucesso obteve nos últimos meses, disse ter encontrado outro comprador com uma oferta melhor. De acordo com a Bloomberg, a empresa definida para comprar a seção americana da TikTok é Oracle Corps. Ao contrário da oferta da Microsoft, a Oracle parece ser mais uma parceria do que uma venda real.

Tecnologia e política

Na origem de toda a história da venda do TikTok, estão as tensões políticas entre a China e os Estados Unidos. Na verdade, sob a administração de Trump, o governo americano passou a suspeitar cada vez mais das empresas chinesas. O presidente dos Estados Unidos considera as empresas chinesas muito próximas do governo de Pequim, pois fazem parte de um sistema socialista em que o Estado possui muitos ativos.

Ilustre vítima dessa desconfiança foi a Huawei, que foi revogada a possibilidade de colaborar com empresas americanas, condenando os telefones chineses a terem que abandonar o Android. Depois da empresa de telefonia, também excluída da corrida pelas infraestruturas 5G, foi a vez da TikTok. A rede social é acusada de ter um número excessivo de dados de usuários em mãos, principalmente adolescentes, e de conluio com o governo chinês.

Uma derrota para Trump?

Trunfo por isso obrigou o ByteDance a vender a divisão americana da rede social, sob pena de retirar o app de todas as lojas americanas. Também havia assinado uma ordem executiva para apertar o prazo e facilitar a aquisição pela Microsoft, que parecia o único comprador confiável.

Mas, quando os prazos estabelecidos pela casa branca estavam prestes a expirar, foi anunciado que a Oracle administrará o TikTok. Dada a abordagem mais colaborativa da empresa proprietária do Java, isso talvez possa ser considerado uma derrota para Trump.

UPDATE:

A televisão estatal chinesa teria negado o acordo com a Oracle. Porta-vozes do governo de Pequim chamaram a operação de "extorsão típica americana".