Mudar foi, sem dúvida um grande sucesso. Apesar do alto número de vendas de console, A Nintendo é sempre muito cuidadosa em manter seu conteúdo o mais adequado possível para todos. 

Política e pandemia

Alinhado com isto política "amiga da família" parece que a nova atualização do Switch adicionou vários termos à lista dos censurados. Em primeiro lugar, as palavras que podem ser usadas em desapareceram dos apelidos e dos bate-papos do jogo Nintendo insultos raciais (“KKK”, “Slave”). Era hora de seguir ligado ao extremismo político ("Nazista", "ACAB"), mas também qualquer referência à pandemia global em andamento ("COVID", "Coronavirus").

Não houve nenhuma confirmação oficial da Nintendo desta nova lista ainda, mas basta ir ao site e tente criar uma conta para confirmar que pelo menos as palavras acima não estão disponíveis como apelidos. 

Neutralidade da Nintendo

A Nintendo com este movimento mostra uma atenção especial à situação política dos EUA. Restringir o uso de termos relacionados à pandemia é claramente uma medida mundial, dada a importância global do vírus. Mas a escolha de censurar palavras puramente políticas só pode ser explicada em os protestos já acontecem há meses nos Estados Unidos. 

Certamente não é a primeira vez que esta situação de tensão política se reflete nos videogames. Há poucos meses atrás Activision removeu o símbolo OK de todas as versões online do Call of Duty. Isso evita que usuários vinculados ao direito alternativo o usem para relatar sua presença em uma comunidade politicamente neutra.

No entanto, onde muitas empresas se relacionam com a situação se aliando abertamente à parte que acreditam ser a certa, geralmente com o movimento Black Lives Matter, a Nintendo também demonstra mais neutralidade neste caso. Na verdade, deve-se observar a censura ao termo ACAB, há muito ligada a protestos contra a aplicação da lei, que agora é parte integrante do movimento dos manifestantes dos EUA.