Após a meia decepção da primeira parte do Pokémon Espada e Escudo, como terá se comportado game freak com o segundo conteúdo, intitulado “As terras nevadas da coroa”?

Volte para Galar, pela última vez

Como já aconteceu para o primeira parte do pacote, assim que o jogo for atualizado você terá o passe para enfrentar esta nova aventura. Passando a Corona em mãos, iremos, mais uma vez, à estação de Brassbury para o que, mais uma vez, será uma simples cena de transição para a nova área. Assim que você sai do trem, o pokédex é atualizado para ser capaz de registrar os muitos monstros presentes em Landa Corona, as terras nevadas do título, o verdadeiro fulcro deste segundo conteúdo. Assim que você sai da estação você encontra os personagens principais da experiência: Peony e sua - um tanto irritada - filha chamada Nia. Essa primeira luta nos traz de volta o sistema de escalonamento de níveis baseado em medalhas já testadas na primeira parte da expansão. Assim que a batalha terminar, o Crown Rift está pronto para ser explorado.

A linguagem GGGiovane também está de volta nesta segunda parte

Novo modo e velhos conhecidos

Depois de explorar a primeira zona de terras nevadas, a trama empurra o jogador para o primeiro modo exclusivo introduzido com este conteúdo extra: oDynamax Adventure. Já mostrado durante o direto, isso nada mais é do que um labirinto subterrâneo chamado Dynatana no qual fazer o seu caminho com um Pokémon emprestado. Aqui, depois de enfrentar uma série de monstros com três outros treinadores como nas incursões do jogo, você fica cara a cara com uma criatura lendária de jogos anteriores.

Se por um lado é inegável a alegria de ver as criaturas mitológicas que escreveram a história da marca e da nossa infância, por outro lado a sensação de que a Game Freak inseriu esses personagens sem contextualizá-los no mundo do jogo Pokémon Sword and Shield é muito forte.

Além da aventura Dynamax, há também uma nova competição chamada "Torneio das Estrelas Galar", um torneio de eliminação simples 2x2 que apresenta campeões já conhecidos no jogo base. Um parêntese curto e certamente apreciável dedicado ao competitivo que só aparece no final da expansão.

Te vejo de novo querido rival

Indiana Pokéjones

Uma vez na aldeia de Freezedale, a história do DLC começa. O foco é o lendário Pokémon de Landa Corona, entre deuses esquecidos e conexões com seres mitológicos de outras regiões já visitadas. A história é dividida em três missões principais, cada uma das quais leva o jogador a explorar a nova área em toda parte para resolver os "mistérios" relacionados aos majestosos guardiões desta terra nevada. Embora certamente não possamos falar sobre um componente narrativo poderoso e inovador, as missões - especialmente a primeira - estimulam o jogador a descobrir mais sobre as lendas em torno do misterioso Pokémon e das terras que eles protegem. Entre estes, o segundo é provavelmente o que menos mordida devido a banalidade dos quebra-cabeças propostos, mas não é chato de qualquer maneira.

Melhor cortina cômica do jogo

Conforme confirmado pela própria Game Freak, este conteúdo é dedicado à exploração das terras nevadas, e podemos dizer com segurança que isso é verdade. Você explora e se diverte fazendo isso.

O Copperajah na sala

Vamos falar sobre o elefante na sala ou, neste caso, o Copperajah: dal ponto de vista técnico esta segunda parte da expansão também tem os mesmos problemas do jogo base e da Ilha Solitária da Armadura. Os ambientes são grandes, mas vazios, as animações de personagens e pokémon limitadas, a massa poligonal de elementos naturais ainda embaraçosa e a taxa de quadros dançante.

Pokémon de terras nevadas
Evocativo eh, entretanto ...

Porém, aplausos devem ser feitos às novas faixas de áudio presentes em alguns momentos salientes da trama que, entre rearranjos de OSTs históricos e canções novas, nunca são maçantes.

Pokémon está morto, viva o Pokémon

Assim termina a oitava geração de videojogos desta marca com mais de vinte anos. Uma geração que provavelmente se tornará a menos memorável. O ciclo de vida de Espada e Escudo termina com as terras cobertas de neve da coroa, um conteúdo adicional que, após ter se dedicado à competição em junho passado, lembre-se - embora em uma escala menor - a maravilha de explorar um mundo governado por seres mitológicos, a surpresa de encontrá-los cara a cara e a emoção de capturá-los. Só por isso a Expansão mereceria ser comprada, não fosse que os referidos lendários - exceto Calyrex - pareçam ter sido inseridos à força, sem indício de trama para explicar a sua existência. Se você considera o enredo nos jogos Pokémon um complemento simples, jogue-se na expansão sem hesitar, caso contrário, faça as contas no bolso.

Agora, a saga requer um verdadeiro salto quântico. Um salto que pode vir graças à recente mudança dos escritórios da Game Freak para perto dos da Nintendo. Enquanto espera pela nona geração, um salto para o Crown Rift pode fazer você redescobrir o charme do mundo Pokémon.